Indústria brasileira não acompanha aumento da demanda, que só consegue ser atendida em virtude das importações

Aumento da demanda interna está sendo atendido por importações, diz BC

Por Francine De Lorenzo | Valor Econômico

SÃO PAULO – O aumento do consumo no Brasil está sendo totalmente suprido por produtos importados, segundo o Banco Central. No Relatório de Inflação, divulgado nesta quinta-feira, a autoridade monetária ressalta que a participação dos importados na demanda adicional por bens industriais subiu de cerca de 40% em 2008 para 100% em 2011, indicando que o crescimento nas vendas do comércio não está sendo acompanhado pela produção industrial.

Nesse intervalo, o consumo aparente (tudo que é produzido no Brasil mais o que é importado, descontadas as exportações) de bens industriais cresceu 16,7%, acima da expansão do Produto Interno Bruto (PIB) no período, que foi de 15,8%.

O consumo de bens de capital aumentou 44,3% no período, sendo que metade desse crescimento foi atendida por produtos importados. De 2008 a 2011, as importações de bens de capital subiram 87,5%, de acordo com o Banco Central. Para a autoridade monetária, o aumento no consumo de bens de capital deriva das medidas de incentivo lançadas pelo governo nos últimos anos, do otimismo do empresariado, das melhores condições de crédito e da apreciação do real.

As melhores condições de crédito, aliadas ao fortalecimento do mercado de trabalho, também beneficiaram o segmento de bens duráveis, cujo consumo aumentou 21,8% entre 2008 e 2011. Entretanto, o Banco Central chama a atenção para o fato de que a produção interna desses produtos aumentou apenas 5% no período, respondendo por 5,1 pontos percentuais do aumento da demanda. Já as importações de bens duráveis aumentaram 167,2% no período, contribuindo com aproximadamente dois terços do aumento total do consumo no quadriênio.

A demanda por bens não duráveis, que é menos sensível ao crédito, aumentou 8,7% entre 2008 e 2011. Nesse segmento, as importações tiveram elevação de 62,3% e responderam por 2,2 pontos percentuais do aumento do consumo. Embora tenha sido ampliada em apenas 5%, a produção interna contribuiu com 5,3 pontos percentuais do aumento do consumo.

Pelos cálculos do Banco Central, a demanda doméstica por bens industriais cresceu num ritmo médio de 3,9% ao ano entre 2008 e 2011.