Porto Seco que se localizava no interior do Recife passa a funcionar no Cabo de Santo Agostinho/PE

Porto Seco se muda e amplia operação
 
A Porto Seco Pernambuco – cuja licença é concedida à JSL – sairá do Recife para se instalar no Cabo de Santo Agostinho, hoje, dia 20. A mudança amplia a oferta de serviços para o setor de logística do Estado. O espaço de armazenagem geral será ampliado de 52 mil m² para 140 mil m². Também será implantada uma câmara fria de 16 mil m²,ao lado do centro de distribuição da Schio.

“Desde 2000 operamos no Recife e, com o desenvolvimento do Porto de Suape, sentimos uma necessidade real de realocação, próximo ao complexo portuário, que tem uma grande demanda de importações. Como terminal secundário, nosso maior gargalo era não ter tantas áreas para suprir as demandas que temos. Em termos de receita, temos crescido cerca de 60% ao ano”, justifica o gerente geral do Porto Seco Pernambuco, Vinicius Constantino.

Segundo o executivo, o projeto, que vem sendo trabalhado há três anos, foi o primeiro a receber autorização da Receita Federal para mudar de endereço.

Além das ampliações, a nova área de armazém alfandegado aumenta de 12 mil m² para 30 mil m², enquanto o pátio de contêineres cresce de 23 mil m² para 40 mil m². Na zona primária (o porto), é possível deixar a carga por 120 dias, enquanto no Porto Seco esse tempo pode se estender em até dois anos.

“A nova estrutura, voltada tanto para empresas públicas quanto privadas, foi pensada para desburocratizar. Se um cliente tem alguma pendência na Receita Federal, a carga pode ficar lá com um custo mais barato”, explica. Segundo Constantino, o Porto Seco opera nos setores alimentício, de bebidas, óleo e gás, equipamentos médicos e correlatos, máquinas e equipamentos, materiais para a construção civil, têxtil e eletroeletrônicos, além de bens de consumo, carros e motos. “São cerca de 420 clientes. Os ramos de indústria e comércio são os que mais fazem importação, sobretudo de matéria-prima”, detalha o gerente.

Com a mudança, a distância do Porto Seco Pernambuco até o Porto de Suape cai de 50 km para 25 km, seguindo pela BR-101 Sul. Depois da inauguração da Express Way (obra a cargo da Odebrecht), essa distância ficará em 15 km. O Porto Seco Pernambuco oferece os serviços de armazenamento alfandegário, entreposto aduaneiro, movimentação de contêineres, embalagem, etiquetagem, selagem, paletização de mercadorias, além de estrutura interna para fiscais da Receita Federal, da Anvisa, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para a checagem e o despacho dos produtos.

Fonte: Jornal do Commercio

Pernambuco terá novo porto seco

Entorno de Suape terá Porto Seco

Jornal do Commercio

A Receita Federal publicou no Diário Oficial da União o aviso de edital para licitação de um porto seco no entorno de Suape, que deverá se localizar em  Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes ou Ipojuca. A iniciativa visa desafogar o Porto de Suape, cuja capacidade de armazenamento está próxima de seu limite, e atender o crescente número de empresas instaladas no Complexo Industrial portuário.

De acordo com dados da Receita, nos últimos cinco anos (2006-2011), enquanto o comércio exterior do país cresceu 31% e as importações pela via marítima, 52%, o montante de carga condicionada em contêineres nacionalizada no do porto de Suape cresceu 173%. Com a entrada em funcionamento deste porto seco, segundo a Receita, será ofertado um armazenamento de baixo custo no processo de conferência aduaneiro, aumentando a competitividade na prestação destes serviços.

Portos secos são como uma extensão dos portos que podem ser localizados em áreas que não estejam necessariamente próximas ao mar. Trata-se de um recinto alfandegado no qual são executadas operações de movimentação, armazenagem e despacho de mercadorias, sob controle aduaneiro, podendo operar com cargas de importação e exportação. A criação deste porto seco, segundo a Receita, permitirá uma redução dos custos do controle aduaneiro no fluxo de comércio exterior da região.

A licitação será na modalidade de concorrência e a previsão de abertura das propostas  é de seis meses. O edital está disponível no site www.receita.fazenda.gov.br; na sede da Superintendência da Receita Federal (Av Engenheiro Antônio de Góes, 449, 7º andar, Pina, Recife/PE, fone (81) 3316-3721); e/ou pelo e-mail:diana.pe.srrf04@receita.fazenda.gov.br . No julgamento da concorrência, o critério considerado será o de menor valor da tarifa do serviço público a ser prestado. O prazo para exploração será de 25 anos, prorrogável por mais 10.

O Porto terá armazém coberto e pátio pavimentado para armazenagem de contêineres, com áreas iniciais mínimas de 11 mil m² e 30 mil m², respectivamente, exigidos para o início da exploração , e deverá dispor de uma área útil mínima de 8,4 hectares, com aproximadamente metade da área construída e o restante para expansão.